sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Meteoro 'explode' sobre território russo e deixa mais de 500 feridos, veja vídeo


Cerca de 500 pessoas ficaram feridas, três delas com gravidade, depois que um meteoro se desintegrou sobre a região russa de Tcheliabinsk, nos montes Urais. A informação foi confirmada pelo Ministério do Interior da Rússia. "Será necessário dar atendimento médico a 474 pessoas, das quais 14 foram hospitalizadas", informou um porta-voz ministerial à agência "Interfax".

O governo afirmou que os danos foram provocados pela onda de choque da explosão que desintegrou o meteoro na atmosfera terrestre. O objeto passou a cerca de 80 quilômetros da cidade de Satki, no distrito de mesmo nome, por volta das 9h20 locais (1h20 de Brasília) e se desintegrou.
"Espero que não haja consequências graves, no entanto, isso é uma prova de que não apenas a economia é vulnerável, mas todo o nosso planeta", disse o primeiro-ministro russo Dimitri Medvedev, na cidade siberiana de Krasnoyarsk, onde participa de um fórum econômico internacional.
As autoridades de Tcheliabinsk, capital da região homônima, reforçaram as medidas de segurança nas estruturas e instalações vitais da cidade. 
Os moradores da cidade foram orientados a voltar para casa e a buscar as crianças nas escolas, que foram fechadas por orientação do governo. Muitas casas e prédios de Tcheliabinsk tiveram janelas estilhaçadas. O aeroporto da cidade, no entanto, permaneceu aberto, sem interrupção no serviço.
"Eu estava dirigindo para o trabalho, estava bem escuro, mas de repente veio um clarão como se fosse dia", disse Viktor Prokofiev, 36, morador de Yekaterinburgo, nos Montes Urais. "Me senti como se estivesse ficado cego pela luz", acrescentou.

Governo desmente chuva de meteoritos

 

 

 

 

 

Alguns jornais e sites chegaram a informar que uma chuva de meteoritos teria caído sobre os Urais, mas a informação foi retificada pelo governo. 
"Não foi uma chuva de meteoritos, mas um meteoro que se desintegrou nas camadas baixas da atmosfera", disse à agência Interfax a porta-voz do Ministério para Situações de Emergência da Rússia, Elena Smirnij. Meteoros se desintegram na atmosfera, antes de atingir o solo, enquanto meteoritos passam pela atmosfera até cair em terra.
Elena confirmou que a onda expansiva provocada pelo corpo celeste quebrou as vidraças de "algumas casas na região". A porta-voz ministerial também informou que a queda do meteoro não alterou os níveis de radiação, que se mantêm dentro dos parâmetros frequentes para a região.
Segundo Othon Winter, professor e pesquisador de trajetórias espaciais da Unesp (Universidade Estadual Paulista), "meteoro é um fenômeno que ocorre no céu, e deixa um rastro de luz. Quando o objeto chega a cair na superfície terrestre, aí passa a ser um meteorito. Então, nesse caso, foi uma chuva de meteoro".
"Isso ocorre todos os anos, com muita frequência. Normalmente são corpos pequenos que se desintegram na atmosfera, pois são pequenos. Então o tamanho e o tipo do material influi no efeito que eles podem provocar. Toneladas de material caem na Terra ao longo de um ano", reiterou o professor, autor do livro "Fim de milênio".
Não está claro se este meteoro está vinculado ao asteroide 2012 DA 14, que deve passar a 27.000 km da Terra ainda nesta sexta-feira, em um trajeto próximo ao planeta. Mas, segundo Winter, "o asteroide é um fenômeno diferente".

"Teste militar norte-americano"

Apesar do relato do Ministério para Situações de Emergência da Rússia confirmando a desintegração do meteoro, o vice-presidente da Duma (a Câmara dos Deputados russa), Vladimir Zhirinovsky, afirmou que a explosão tratou-se, na verdade, de um teste militar norte-americano, visando atingir a região das Urais, onde fica localizada a maior indústria de beneficiamento de combustível nuclear do país. 
Representantes do Ministério da Defesa argumentaram que a emergência não afeta as unidades de combate do Comando Militar Central e que havia alvos militares entre os edifícios danificados. (Com agências internacionais).

Nenhum comentário:

Postar um comentário