domingo, 23 de junho de 2013

Prefeitura de São Vicente corta alimentação da PM após irmão do Prefeito ser preso por embriagues ao volante; PM’s sofrem ameaça de transferência


Na Foto: Destacamento da PM em São Vicente

Passado poucas semanas do ocorrido, a Associação do Policiais Bombeiros Militares do Seridó, foi notificada de um ocorrido constrangedor e que trouxe revolta. No dia 10 de maio de 2013, segundo os policiais da cidade de São Vicente/RN, a guarnição composta pelos soldados Hélio e Ubiraci estavam resolvendo uma ocorrência de um som de um carro na praça da cidade, onde o irmão do prefeito e um colega que o acompanhava, se dirigiam para uma festa, mas que na ocasião, estavam com som automotivo de forma abusiva na praça daquela cidade.

A GU já havia abordado os mesmos e pedido para quebaixassem o som, tendo em vista que lá em São Vicente, o juiz, determinou que som de carro na praça era proibido, por sua vez, o irmão do prefeito, juntamente com alguns colegas estavam descumprindo essa determinação judicial. Quando a guarnição voltou a praça, pelo mesmo motivo, o cidadão citado passou em alta velocidade com o carro pela viatura e aumentou o som tentando demonstrar em que poderiam está acima da lei devido sua influência econômica e política, saindo em disparada, mais sendo interceptados pela viatura que conseguiu pará-los depois que o condutor do veiculo colidiu na viatura da policia.

Na Foto: Presidente da APBMS visitou pessoalmente Destacamento de São Vicente

Na abordagem foi solicitado que os mesmos saíssem do carro onde foram revistados e convocado o trânsito da cidade de Currais Novos, que detectaram embriaguez do irmão do prefeito que conduzia o veiculo. A partir deste momento os Policiais que atenderam a ocorrência relatam que houve tentativa de intimidação com ameaças de transferência e xingamentos aos policiais que estavam cumprindo seu papel constitucional. Para surpresa da Associação e dos policiais, no dia seguinte aos fatos, a prefeitura cortou, sem explicação, a alimentação dos policiais que era subsidiada pela prefeitura local.

Perguntando ao presidente, Aderlan Medeiros, sobre quais providencias seriam tomadas, o mesmo informou que “a Associação está alerta para qualquer tentativa de transferência dos policiais da cidade, e que se isso acontecer a justiça será acionada. Quanto a cortar as refeições, a APBMS é contra as Prefeituras fornecerem alimentação aos policiais, justamente por esse tipo de expediente grosseiro e eleitoreiro, mas que diante das circunstâncias, fica obvio a falta de compromisso da gestão municipal com a sua população.

A população continua perdendo com a decisão do Prefeito de cortar a alimentação porque os Policiais estão indo se alimentar em Florânia e Currais Novos, deixando assim, a cidade desguarnecida e vulnerável para ações criminosas”. Finalizou Aderlan Medeiros, Presidente da APBMS.

Fonte: APBMS

Nenhum comentário:

Postar um comentário